dilmadragrace

Não é surpresa nenhuma comentar que ontem e domingo foram bem difíceis pra qualquer pessoa que tem um pouco de noção na cabeça e não, não me venha com aquela história de que dá pra separar política de amizade porque eu estou no grupo de que se você apoia seres humanos nojentos como alguns que se pronunciaram no domingo, é realmente pra me excluir da sua vida. Os últimos meses já tem sido difíceis por precisar conviver com pessoas que você ama e/ou respeita, ou simplesmente é obrigado a passar seu dia junto e ouvir diversos comentários baixos, machistas e absurdos sobre a Dilma e apoiadores. Confesso que eu não sou a pessoa mais bem informada de política, aliás, longe disso e muitas das coisas que aprendi foram devido aos últimos tempos quando comecei a me informar um pouco melhor, infelizmente, como a maioria dos brasileiros. É bem difícil ver sua própria mãe falando mal de outra mulher com comentários baixos ou lendo mensagens do tipo “nós que somos a favor do impeachment”. Aliás, ela estava falando de mim e dela mas sem condições de se discutir via whatsapp sobre isso então eu prefiro simplesmente ignorar assuntos desse tipo, assim como eu ignoro no meu ambiente de trabalho mesmo sabendo que talvez não seja a forma mais correta de agir.

Só que ontem não deu. Depois que a votação chegou em um número esperado pra dar abertura ao processo uma menina que eu me envolvi dois anos atrás simplesmente twittou “chora mais”. Eu não sei qual era a emoção de vocês no momento, mas eu estava triste, desolada, assustada e acima de tudo: com raiva. Ver uma pessoa que eu depositei meu tempo, até cheguei a postar textos aqui, apoiar esse tipo de ação foi demais pra mim. Eu só consegui comentar um “me poupe”, dar um unfollow e excluir da minha vida de vez. Eu gostaria de estar surpresa com esse tipo de atitude dela, mas foi a mesma pessoa que quando terminamos resolveu falar “duas coisinhas” pra mim: a primeira é que as minhas sobrancelhas grossas não eram tão bonitas quanto eu achava que eram (?!) e a segunda que dar que nem uma vagabunda na cama não vai fazer ninguém gostar mais de mim. São duas coisas que eu nunca esqueci. São duas coisas que me machucaram muito mas hoje em dia eu só sinto pena dela, dos pensamentos que ela tem, e da forma que ela vê a vida ou do que acha correto. Ao mesmo tempo eu me sinto mais aliviada de saber que pelo menos mais uma pessoa que vai contra tudo que eu acredito e respeito foi excluída da minha vida. Infelizmente, não podemos fazer isso com todo mundo e, com muita dor, amamos algumas dessas pessoas que tem opiniões bem diferentes da gente, mas é libertador e um tanto quanto triste, poder excluir quem te faz mal ou quem não te respeita. De um em um a gente vai fazendo o mundo ao nosso redor um pouco melhor, ou pelo menos nos protegendo com pessoas que realmente valem a pena.

piratesofpoliticagem01

Share: