Eu moro na mesma casa desde que me mudei para Manaus, ou seja, o que tem cerca de dezoito anos. E desde pequena eu sempre tive um problema com casas, mas principalmente com essa casa porque eu nunca me senti realmente segura aqui. Com o tempo, várias casas vizinhas começaram a ser assaltadas, e quando eu digo todas, eu quero falar as casas do lado e as da frente. Eu não sei se isso é devido a proximidade com uma das avenidas principais da cidade, por morarmos em um conjunto aberto – e, cá entre nós, a maioria dos guardinhas contratados não vale nada – as duas opções, ou porque todo mundo corre esse risco hoje em dia, independente de onde você more.

Essa semana, de domingo para segunda, sendo mais exata, descobrimos que alguém pulou o muro e andou pela propriedade. Não levaram nada, mas telhas quebradas e pegadas na terra foram encontradas. Até então tudo bem, porque no decorrer dos anos isso já aconteceu várias vezes. Porém, de terça para quarta, assim que acordamos, eu e minha mãe vimos que a porta da frente (são duas portas de correr de vidro) estavam um pouco abertas como se alguém estivesse olhando para saber como é no interior da nossa casa.

Eu entrei em pânico e quase não conseguia me concentrar para ir dirigindo pro estágio. Eu morro de medo de ser assaltada, principalmente na minha casa. O meu dia foi todo pensando nisso e por mais que, finalmente, a gente tenha resolvido ajeitar tanto a cerca elétrica como o sensor de movimento nas portas e a fachada, isso ainda não aconteceu, ou seja, eu não consigo ficar realmente tranquila.

Ontem meu padrasto veio dormir aqui – meus pais moram em casas separadas mesmo sendo casados (viva a modernidade?! haha) – mas hoje somos eu e a minha mãe, e todos os aparelhos de segurança, devido ao atraso do técnico, só serão resolvidos amanhã. Nessa semana eu não consegui dormir direito. Eu estou me sentindo exausta porque não consigo me acalmar, passo o dia no trabalho lembrando disso e agora que comecei a academia fico mais cansada ainda por ainda não ter me acostumado. A única coisa que eu quero é que chegue amanhã de noite e tudo esteja mais tranquilo porque paz eu só terei mesmo quando eu me mudar daqui dessa cidade, mas, infelizmente, isso ainda vai demorar, no mínimo, um ano e meio.

Honestamente, eu não sei mais o que fazer. Talvez se eu fosse mais calma em relação a esse assunto ou se as coisas não fossem tão violentas… mas são coisas que eu não posso mudar. É muito difícil viver com medo, mas no final das contas, pelo menos, eu estou viva, né?

Share: