Leonard Peacock

Li esse livro tem algum tempo, mas preferi dar um espaço muito grande pra falar dele de novo pra poder digerir direito a história. Geralmente, não sou acostumada a ler livros “fortes”, ou talvez porque achei que o livro fosse bem mais leve do que realmente é então foi, de certa forma, um choque pra mim.

Perdão, Leonard Peacock conta a história do protagonista do título, Leonard e tudo começa no dia do seu aniversário e também o dia que ele resolve assassinar o ex-melhor amigo e depois, se suicidar. Antes de tudo, ele quer se despedir das quatro pessoas mais importantes da vida dele e aos poucos, ele vai revelando um pouco de sua vida e o motivo por trás de tudo isso.

Parece simples, né? Mas não é. É um livro fácil de se ler, pequeno, mas eu não conseguia parar. Ao mesmo tempo que você sente uma empatia pelo personagem, consegue o imaginar como uma pessoa real, com problemas fáceis de se identificar, e com isso dava mais dó de ler certas coisas pelo que ele passou e como era sua vida. Durante todo o livro eu sempre lembrava daquela frase “Be Gentle for Everyone is Fighting a Hard Battle” e é exatamente isso.. ninguém sabe o que se passa dentro de cada um de nós e os problemas que nós temos. Ás vezes, alguns atos, são reflexos de problemas muito mais profundos que nunca foram resolvidos, só deixados pra lá ou tampados com um buraco, mas eventualmente eles explodem, e um dia, o Leonard resolveu explodir.

O livro é construído aos poucos, cada capítulo te revela um pouco mais dele, e das pessoas que são importantes pra ele e o motivo pra cada uma ter marcado tanto sua (curta) vida. Também fiquei surpresa como ele pega em assuntos que você não costuma ver em livros ‘leves’/populares: suicídio, assassinato de um amigo e outros que eu não posso revelar para não dar spoiler. Lembro como ficava com o coração na mão cada vez que lia algumas páginas, que chorei no metrô em algumas partes (e eu nunca fui disso) assim como depois de terminá-lo precisei ficar alguns dias sem ler nada pra tentar respirar. Talvez a maioria ache ‘ok’, mas pra mim foi bem mais forte do que esperava. De qualquer forma, entre todas as coisas que li esse ano, esse livro é, de longe, um dos melhores.

“As pessoas pagam por aquilo que fazem, e ainda mais pelo que permitiram se tornar. E pagam por isso de uma maneira muito simples: com a vida que levam.”

Perdão, Leonard Peacock (Forgive Me, Leonard Peacock), Matthew Quick, 224 páginas. Editora: Íntrinseca

Share: