Um das coisas que mais gosto na cidade é que sempre tem muita exposição pra ir. É só dar uma procuradinha que tem todo tipo de exposição pra todo tipo de gente. Não somente de arte, mas sempre tem algo que agrade a todos desde as crianças até os mais cultos e a maioria é de graça e pequena que você consegue passar duas horas do sábado aprendendo algo e conhecendo museus, galerias ou somente lugares interessantes.

frida

Ano passado nós tivemos outra exposição da Frida no Instituo Tomie Ohtake e até fiquei questionando o motivo da volta, mas não se enganem, é outra totalmente diferente. A exposição Frida Khalo – Suas Fotos é exatamente o que o título diz: fotos da vida de Fridinha A exposição é dividida em duas partes, a primeira sendo no MIS, que conta com a história da Frida devidamente separada em categorias (infância, guerra, família, etc) e a segunda, muito menor, no Espaço Cultural Porto Seguro, focando na Frida e na Casa Azul e também com uma timeline de sua vida. A exposição fica dividida entre os dois museus, que contam com transporte de graça entre um e outro caso você queira visitar no mesmo dia/hora, mas a do MIS é absurdamente maior. No caso, as duas são pequenas mas a estrutura do MIS é sempre muito mais bem feita. Talvez por estar acostumado a pegar exposições grandes e pra massa a arrumação e a estética é feita pra você fotografar e se divertir enquanto a do Porto Seguro é muito simples e muito, muito rápida. Se formos levar em consideração que existem 250 fotos na exposição ao todo, cerca de 220 estão no MIS, divida em categorias e 30 no Porto Seguro. Particularmente, achei a do Porto Seguro mais interessante por ser mais pessoal, mas você só tem interesse em ir em um dos locais, com certeza escolha o MIS. Aliás, a exposição como um todo eu achei muito linda e cada vez mais acho a Frida uma mulher incrível.

Frida Kahlo – Suas Fotos
03 de setembro a 20 de novembro
12h às 20h no MIS/Espaço Cultural Porto Seguro
$6 (inteira) e $3 (meia)

lego-copy

Por mais que o nome extenso seja interessante, eu não acho que exista uma pessoa que chame a exposição por outra coisa que a “exposição do lego” porque é basicamente isso: a arte do americano Nathan Sawaya com peças lego. São mais de 83 peças, que por algum motivo achava que era bem menos, divididas em várias categorias como réplicas de obra de arte, cores, formas geométricas, infantil entre outros, e todas em lego. Eu fiquei pensando quanto tempo faz que ele é patrocinado pela lego porque não é possível. Enfim, eu acabei achando a exposição um pouco menos interessante do que esperava. Quando você vê de perto, ainda mais depois que assistimos um documentário curtinho de 15min sobre o processo de criação, você percebe como é difícil desenhar qualquer uma dessas peças, mas por algum motivo algo simplesmente não bateu. Não sei se foi a explicação piegas a la filosofia barata de cada peça ou o fato de existir muita criança pra qualquer lado que você olhasse e muito adulto tirando foto de tudo a cada passo que você dava. Sem contar que estava absurdamente lotado e parecia uma feira e isso meio que acabou com o encanto de ir admirando sem 20 pessoas esperarem atrás de você falando e gritando. Enfim, é o típico programa pra levar teus primos e irmãos quando você quer algo diferente e é claramente voltado pra crianças por ter uma sala de desenho no final da exposição e com muitas peças lego pra você montar a sua ‘obra’. Que aliás, melhor parte da expo junto com o dinossauro imenso (!!!!!!) de lego que ele fez porque de resto, saí meio decepcionadinha.

A Arte de Criar com Lego (The Art of The Brick)
11 de agosto a 30 de outubro (acaba amanhã!)
09h às 20h na Oca do Parque Ibirapuera (Portão 3)
$20 (inteira) e $10 (meia)
Ingressos aqui

Share: