Faz exatamente uma semana que estava voltando das primeiras férias em mais de três anos. Quando digo férias, digo poder viajar sem se sentir culpada por precisar estar trabalhando ou algo do tipo, mas realmente relaxar e conhecer um lugar novo, abraçá-lo e fingir que ele é seu por alguns dias e foi exatamente isso que fiz. Quando decidimos ir para Colômbia, eu e minha mãe, não sabíamos o que esperar. Sabia que Cartagena era uma cidade colorida, mas minha informação sobre o país era muito superficial. Quem imaginava que iria voltar tão apaixonada assim? Certamente, eu não. Acho que tem um nível de paixão por cada cidade que nós visitamos no nosso país, mas principalmente pelo mundo, como disse aqui. Cartagena e San Andrés despertaram coisas muito específicas em mim que não senti em nenhuma outra cidade e sinto que é minha missão fazer vocês se apaixonarem por cada uma delas também.

Antes de fazer um post específico sobre cada uma, acredito que esse é mais um guia básico de informações que recolhi pela internet e que aprendi enquanto estava lá. Algumas dicas talvez ajudem turistas de primeira viagem, como eu, a não cometer alguns erros ou ponderar o que precisa e o que não precisa para se viajar pelo país. Como vocês sabem, não sou travel blogger (queria? queria sim, por favor, me contatem eu estou a disposição), mas dicas nunca são demais, né? Então, vamos lá:

▼ Uma das partes mais importantes, antes mesmo da viagem, é tomar a vacina da febre amarela pelo menos duas semanas antes de viajar. No meu caso, já tinha tomado alguns anos atrás, então só fui na Anvisa tirar meu Certificado Internacional de Febre Amarela. Eles pedem isso no balcão da companhia área ainda no Brasil como na hora de conferir o passaporte/carteira de identidade.
▼ Dizem que você não deve tomar água de nenhum lugar que não seja de garrafa. Realmente não sei porque acabei só tomando água assim durante a viagem, mas não custa dar a dica. Algo sobre não serem filtradas e etc.
▼ Faz calor o ano todo em ambas cidades e quando digo calor, é calor mesmo, tá? A média de temperatura durante nossa estadia variava de 28 a 33°C durante o dia e 22 a 26°C durante a noite. Ambas cidades são bem ventiladas, mas San Andrés você sente um pouco menos de calor por ser uma ilha e ser mais aberta, porém queima bem mais que em Cartagena já que o vento engana que não está tão quente. Levei protetor solar, fiquei na sombra quase o tempo todo nas praias, mas ainda voltei super bronzeada e com indício de insolação.
▼ Não existe taxímetro em ambas as cidades – não sei se é em todo país, mas não custa verificar – então assim que entrar no táxi você tem que perguntar o preço e rola muito de negociar. Porém a maioria das corridas não deram mais do que 7.000/8.000 pesos colombianos o que sai em média 6 ou 7 reais. O Uber em Cartagena é mais caro que os táxis. Não tentamos e nem procuramos Uber em San Andrés.
▼ Levem adaptador. É algo básico e sempre esqueço, mas mesmo levando um com os tipos mais comuns no Brasil, o deles é esse tipo A então o ideal é levar um adaptador mundial mesmo.
▼ Fizemos o câmbio no aeroporto do Brasil, mas em Cartagena na parte histórica – que é basicamente o que se tem pra fazer – tem casa de câmbio em qualquer esquina que se vira, porém em San Andrés o único câmbio que vimos é no aeroporto e só fica aberto em horário comercial. O nosso hotel fornecia a opção de levarem câmbio até lá, mas fizemos isso e era absurdamente caro. Não recomendo.
▼ Tanto Cartagena como San Andrés são tranquilas para andar de noite. Grande parte do Centro Histórico fecha depois do fim da tarde, mas existem restaurantes, e San Andrés dependendo de onde você se hospedar não vai ter muito o que se fazer, mas caso fique pela área nova/comercial, como ficamos, dá pra ir passeando após o jantar ou andar quando anoitecer sem perigo nenhum, porém ambas cidades só tem atividades diárias. A noite é meio caída para algo além de jantar.
▼ Para entrar em San Andrés você paga, no aeroporto, uma taxa de cerca de 100.000 pesos colombianos por pessoa o que dá mais ou menos 100 reais. Só aceitam dinheiro então já leve trocado.
▼ Se você for levar lembrança, uma das mais recomendadas é o café colombiano que dizem ser um dos melhores do mundo. Tem todos os tipos de café dos mais caros aos mega baratos por lá. Comprei alguns super baratos que, honestamente, nem sei se era de boa qualidade, mas ainda não experimentei porém os que tomei durante a viagem eram todos deliciosos.
▼ Para amantes de frutos do mar, como a minha mãe, em ambas as cidades, mas principalmente San Andrés, você consegue comer sem pagar caro. Na verdade, é super em conta esses pratos.

Só escrever isso me deu saudade de viajar pra lá. É tanta coisa boa que tenho pra contar que precisarei fazer um post para cada cidade. Espero voltar pra esse pedaço de paraíso o mais rápido possível. É realmente inacreditável como está bem ali em cima, perto da gente, e ao mesmo tempo parece tão longe.

Share: